Tainise

Vamos quebrar o silêncio!

Discipular é modular. Jesus foi intencional em suas ações, escolhas e diálogos. Tenho pensado muito sobre que tipo de mestre Jesus quer que eu me torne, especialmente quando ensino sobre sexualidade aos evangélicos. Por muito tempo os líderes de nossas igrejas, devido à falsa narrativa do NÓS x ELES, ensinam sobre sexualidade de um lugar “alto e distante” de seu público alvo. Há um abismo entre o mestre e seus leitores/ouvintes. Uma das coisas mais comuns quando você lê um livro evangélico sobre o assunto é o autor usar todos os exemplos de pessoas que procuraram ajuda e aconselhamento desses autores. Quando contam alguma coisa pessoal, é pra contar “vantagem”. Não há histórias de arrependimento. Não há relatos de quebrantamento pessoal. Nossos mestres não nos contam como o evangelho tem transformado a sexualidade deles. Não há vulnerabilidade nem transparência.

Mas, aí, ouvimos os argumentos que um líder não deve se expor, que é perigoso, que a gente tem que se proteger das más línguas. Quer dizer que eu devo “me proteger”, e em nome da auto preservação eu exponho a dor e miséria de todas as pessoas que passaram pelo meu consultório, gabinete pastoral, em aconselhamento formal e informal? Posso contar “causos e causos” dos relatos sexuais que ouvi a vida inteira, menos os meus? Nos sentimos à vontade para conversar sobre a sexualidade dos outros, mas a nossa tá bem escondidinha?
Graças a Deus, isso está começando a mudar. Jesus tem levantado uma nova geração de mestres que ministram através de seus próprios testemunhos, e quando falam dos outros, falam com temor, amor e humildade.

Já tenho compartilhado em meus textos vários testemunhos pessoais para encorajar vocês, leitoras e amigas, a fazerem o mesmo. Ainda estou aprendendo a trilhar nesse caminho que Jesus me mostrou há pouco tempo, em fé e obediência. Tenho pedido a ajuda de Deus, e Ele tem me dado oportunidades de praticar essa vulnerabilidade bíblica, com prudência. Por exemplo, tem coisas que ainda não estão bem resolvidas, o Espírito ainda está trabalhando. Então, ainda não é hora de compartilhar abertamente. Mas deixar de contar os milagres da transformação porque tememos o julgamento alheio e perseguição? Isso não é bíblico. Vamos quebrar o silêncio! Você pode não ter o mesmo chamado que eu tenho para ministrar publicamente na área da sexualidade, mas há pessoas em sua vida que precisam ouvir os seus testemunhos. Jesus não está fisicamente na terra para anunciar as Boas Novas, mas deixou sua Igreja aqui e enviou o Espírito Santo para que pudéssemos contar ao mundo o que Ele tem mudado em nossa vida. Ele nos ordenou a fazer discípulos. E o que Jesus tem mudado em sua história sexual? Veja, não é o que você tem mudado em você mesmo (Gálatas 3:5). Em quais aspectos o evangelho, poder de Deus que salva, tem te redimido?

Se a Igreja testemunha o que Jesus tem feito em todas as áreas da vida, menos na sexual, então, quem está modelando? Sem dúvida a igreja não está modelando bem. Quem está modelando é a narrativa cultural. Nossa sociedade é quem está modulando nossa sexualidade, enquanto nós deveríamos modular a deles. Quando tentamos modular dentro e fora da igreja, não modulamos através da narrativa bíblica da sexualidade, mas da narrativa tradicional, a narrativa da pureza. Em poucas palavras, a narrativa da pureza nos ensinou a viver nossa sexualidade pelas obras da lei, por força de vontade, e que são nossas escolhas sexuais que nos santificam. A narrativa bíblica, entre outras coisas, nos ensina que o evangelho, a obra de redenção de Jesus, transforma a nossa sexualidade que se quebrou na queda do homem, quando o pecado entrou no mundo. Somente Jesus pode redimir nossa sexualidade. E, somente através da graça que educa, nossos desejos distorcidos são verdadeiramente transformados. O evangelho não é apenas para os não-cristãos. O evangelho é para os cristãos durante toda a sua vida! Dia após dia precisamos experimentar o evangelho. Fomos justificados de uma vez por todas! E somos santificados durante toda a vida à medida que entendemos a graça de Deus (Colossenses 1:5,6).

E se você está ministrando publicamente na área da sexualidade, a responsabilidade de testemunhar o que Jesus tem transformado em você é ainda mais urgente, através do Espírito de força, amor e prudência (2Timóteo 1:7). Jesus quer te usar através da sua própria história com Ele!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: