Tainise

A Importância da Fraternidade – Parte 2

Todas nós precisamos de pessoas que se importam conosco e caminham ao nosso lado nos momentos de restauração, tentação e dúvidas. Desejamos ser amadas incondicionalmente, certo? Ao mesmo tempo, precisamos aprender a ser essa pessoa para outras mulheres.

Diminua suas expectativas

 O que acontece é que acabamos criando uma expectativa muito grande em torno de uma única pessoa. Cada uma de nós tem dons diferentes e podemos nos ajudar de diversas formas. Uma de suas amigas, por exemplo, pode ser muito boa em ouvir, orar e chorar contigo, te abraçar e atender uma ligação no meio de uma tentação emergente ou lembranças dolorosas, porque ela tem o dom da misericórdia. Outra amiga se sobressai em buscar ajuda externa, com sua permissão, é claro. Ela pode te ajudar a encontrar um conselheiro cristão e/ou um terapeuta. No meio dessas conversas você encontra a indicação de um bom curso ou profissional que cabe no seu orçamento. Quem sabe uma amiga casada há mais tempo possa te dar conselhos práticos (Tito 2:3-5). Se estiver insegura e se é a primeira vez que vai conversar sobre sexo, não precisa falar tudo de uma vez só. Comece compartilhando algo menos embaraçoso para você. Como nos exercícios, à medida que for ficando mais à vontade com sua amiga, traga outras questões e assim vocês duas ganharão confiança e crescerão em intimidade, sem pressa.

Prestação de contas

Receber apoio pode ser mágico no início, a resposta das suas orações, mas a verdade é que você se sente vulnerável e vai, em algum momento, querer fugir.  Nessas horas, você vai precisar daquela amiga que tem o dom da exortação e que te fala algumas verdades que doem e são essenciais no processo de cura e restauração. Não converse apenas com quem te ouve e chora contigo. Se você é a amiga na posição de confrontar, não tenha medo de perder a amizade e confie em Deus com os resultados (Tiago 5:19,20). Certifique-se que está sendo motivada pelo amor (Efésios 4:15,16).

Integridade

Cuidado com as amigas que são desinibidas para falar de sexo mas seguem uma tendência liberal e adaptável às suas necessidades sexuais. É possível não julgar quem está se abrindo e ao mesmo tempo ser dependente de Deus para revelar e aplicar suas verdades em nossa vida sexual. Uma coisa não exclui a outra. Não abra mão da Palavra de Deus e continue buscando compreensão em oração.

Mas eu não sou uma especialista no assunto!

Você não é obrigada a saber tudo mas também não precisa fugir com medo. Quando eu era jovem eu tinha uma discípula que era casada. Ela começou a me contar os problemas sexuais de seu casamento. Eu era virgem, solteira e disse que não podia ajudá-la, me oferecendo a procurar uma mulher casada para conversar com ela. Não encontramos a mulher casada na época, mas depois de uns meses o marido dela se tornou cristão e eles receberam apoio em outra igreja. Eu participei do processo ouvindo, orando com ela, buscando ajuda extra e esperando em Deus ao seu lado. Ela sabia que não estava sozinha. Eu fiz o melhor que pude guiada pelo princípio do amor e aceitando minhas próprias limitações.

Amplie sua rede de apoio

Não dá pra colocar tudo nas costas da terapeuta, até mesmo porque existe a ética profissional e ela não vai poder te dar boa parte do apoio que você precisa. Talvez você tenha uma mentora na igreja que não aprendeu ainda a conversar sobre questões da sexualidade, mas que tem oferecido apoio em outras áreas de seu crescimento. Não pare de procurar por outras mulheres caso suas primeiras tentativas não tragam o resultado esperado. Muitas vezes dizemos que não há ninguém para nos ajudar, mas quando você é bem sincera consigo mesma e com Deus, vai confessar que existem amigas, só que você está com medo de se abrir, de tentar e de se frustrar. Reconheça que precisa de ajuda e dê o primeiro passo! Decida ampliar a sua rede procurando pelo menos uma amiga, para começar. Não desanime se a conversa for meio desajeitada ou se ela se fechar. Se for procurada, deixe Deus te usar. É normal cometermos erros e isso não nos impede de ministrar umas às outras. Com humildade podemos aprender com nossos erros e amadurecer para servir melhor em oportunidades futuras.

Pensando na comunidade

Se você lidera outras mulheres na igreja considere a possibilidade de conversar com sua liderança e buscar estratégias para começar algo nessa área. Faça tudo com súplicas e ações de graças (Filipenses 4:6). Lembre-se que o Espírito de Deus está agindo. Não faça isso com suas próprias forças.

Alguns artigos do blog serão excelentes para se discutir num grupo pequeno, com uma amiga, com seu marido ou filhos. Participe do blog e faça comentários. Quem sabe através desse espaço novos grupos de apoio surgirão?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: